SAUDADE MINHA
  • António Nobre

    . Interseções, Memória

    Quando Guilherme de Faria nasceu, em 1907, ANTÓNIO NOBRE [1867-1900] tinha já morrido há sete anos. Mas nenhum outro autor Nobre exerceu uma influência tão intensa e tão profunda sobre Guilherme de Faria. No ‘Só’, em vez do precursor do saudável neogarrettismo que Alberto d’Oliveira teorizaria em 1894 [em ‘Palavras Loucas’], António Nobre inventou a […]

  • Clepsidra

    . Livro, Memória

    Sobre o exemplar de ‘Clepsidra’ que pertenceu a Guilherme de Faria, encontramos um impressivo testemunho de José Gomes Ferreira, escrito no seu diário, no dia 7 de junho de 1968 [‘Dias Comuns V — Continuação do Sol’, Edições Dom Quixote, 2010, pp. 23-26]: Esta manhã, ao remexer nos livros da estante, encontrei a 1ª edição […]

  • Uma carta de Mário Saa

    Mário Saa nasceu em 1893, nas Caldas da Rainha. Em 1895, a família regressa a Avis e o seu pai constrói [quatro anos depois] a Herdade de Pero-Viegas, onde Saa residiu quase toda a vida. Em 1913, era aluno do Instituto Superior Técnico, em 1918 esteve inscrito no curso de Ciências Matemáticas e, em 1930, […]

  • Carlos de Lemos

    . Interseções

    CARLOS DE LEMOS nasceu no dia 3 de janeiro de 1867, em Lalim [Lamego]. Formou-se em Direito, na Universidade de Coimbra, mas dedicou a sua vida ao ensino, tendo terminado a sua carreira no Liceu Passos Manuel, em Lisboa, em 1937, depois de ter lecionado em algumas escolas da província. Além da intensa colaboração literária […]

  • António Pedro

    . Interseções

    Numa carta de 1955, ANTÓNIO PEDRO autobiografava-se assim: “Chamo-me António Pedro da Costa. Nasci em 9 de dezembro de 1909, na cidade da Praia, em Cabo Verde, filho de pais europeus […]. Esta metade galaico-minhota e irlando-galesa do meu sangue fez-me gostar de gaitas de foles, de instrumentos de percussão e da conquista do impossível. […]

  • Saudade Minha

    . Literatura, Livro

    No dia 7 de Maio de 1926, tinham passado quase dois anos sobre a publicação de ‘Sombra’, Guilherme de Faria apresenta ‘Saudade Minha’. Trata-se de um livro com 92 páginas e 22 poemas apresentados em quatro partes: ‘Sombras d’Amor’, ‘Vida escura’, ‘Saudade Minha’ e ‘Redenção’. Guilherme de Faria utiliza na capa desta edição, pela primeira […]

  • Teixeira de Pascoaes

    . Interseções

    O pai de TEIXEIRA DE PASCOAES [1877-1952] morre em 1922. Como lembra a irmã, Maria da Glória: “Depois da morte do seu pai, o Poeta nunca mais suportou os invernos em Pascoaes. A lareira, onde tanto conversavam, perdeu todo o interesse para ele. Desapareceu para sempre o calor, por mais lenha que lhe deitassem. Resolveu […]

  • Dois livros

    . Espólio, Interseções

    Por estes dias, Salvador Oliveira da Silva — sobrinho de Guilherme de Faria, filho da sua irmã Leonor [1924-1966] —, enviou-me dois livros da biblioteca do poeta que se encontravam na casa da Rua da Horta Seca, onde até há pouco viveu Teresa Leite de Faria, a única irmã viva de Guilherme. Trata-se de dois […]

  • Eduardo Brazão

    . Interseções

    EDUARDO BRAZÃO nasceu em Lisboa, no dia 1 de fevereiro de 1907, filho de Eduardo Brazão — consensualmente reconhecido como o maior ator do seu tempo — e de Maria José da Silva Reis Brazão. Preocupada com o seu futuro, a mãe enviou-o para o Colégio de La Guardia, onde se tinham refugiado os jesuítas, […]

  • Fernando Pessoa

    . Interseções

    Há dois livros de Guilherme de Faria na biblioteca de FERNANDO PESSOA [1888-1935]: ‘Poemas’ e ‘Mais Poemas’, ambos assinados e dedicados. Lê-se no exemplar de ‘Poemas’: “Ao senhor Fernando Pessoa, homenagem de Guilherme de Faria”; o mesmo no exemplar de ‘Mais Poemas’ que, além disso, tem a data de 6 de outubro de 1923 [cf. […]